Ser Filho de Alcino Por:Rangel Alves da Costa

Alcino Alves Costa

Pensando bem, plena razão com o amigo escritor José Bezerra Lima Irmão (Lampião - A Raposa das Caatingas). Comentando uma postagem minha, afirmou o estudioso do cangaço: “(...) E você é RICO. Ser filho de ALCINO ALVES COSTA é um privilégio que não há dinheiro que pague”. Quanta verdade em tais palavras. Ser filho de Alcino é trazer no sangue sua coragem, sua inteligência, sua agudeza de pensamento e ação. Ser filho de Alcino é trazer no íntimo e no mais profundo do coração o amor ao sertão, ao seu povo, à sua história e ao seu destino. Ser filho de Alcino é trazer no olho a visão de um mundo tão humilde quanto arrogante, tão bondoso quanto desumano, e trazer na face o encorajamento de jamais negar a dor e o sofrimento de tudo que nos envolve. Ser filho de Alcino é trazer na mão o livro de ouro de suas lições: não precisa ser doutor para ter o anel da sabedoria no dedo. 

Ser filho de Alcino é trazer no gesto a simplicidade, é trazer no passo o mesmo caminhar de seu povo, é trazer na voz a palavra por todos entendida. Contudo, ser filho de Alcino não é trazer apenas seu sangue e sobrenome, mas dignificar e dignificar-se por ser filho de Alcino. Ser filho de Alcino não exige que seja Alcino, mas filho representando Alcino. Ser filho de Alcino não requer andar de havaianas, de gostar de música caipira, de escrever versos sertanejos, de viver apenas o seu mundo sertão, mas preservar a memória do que foi assim. 

Eu sou filho de Alcino, de Alcino e de Dona Peta. Sempre serei filho de Alcino, mas o que continuo sendo mais Alcino é precisamente ser além do filho: resguardar sua memória, sua vida e sua história, como se entre nós ele continuasse. Além de tudo, sou um filho orgulhoso do pai que tive. Por isso tanto amo fazer pelo pai que ainda tenho.
Rangel Alves da Costa
Poeta e Escritor
Conselheiro Cariri Cangaço

Antes de Chegar a Fortaleza , Massilon esteve em Crato !!!



Espetacular Conferência de nosso Conselheiro Cariri Cangaço, professor Honório de Medeiros sobre Massilon e a trama do ataque de Virgulino a Mossoró, em nossa primeira edição; Cariri Cangaço 2009. Antes de recebermos Honório de Medeiros em uma de nossas mesas no Cariri Cangaço Fortaleza 2018, vamos trazer esse momento marcante através das lentes de Aderbal Nogueira e sua Laser Video.

Cariri Cangaço Fortaleza
26 a 29 de Abril de 2018
Fortaleza, Capital do Ceará.

Vem aí o Cariri Cangaço Fortaleza, mas Antes Vamos de Cariricaturas de 2011


O ano 2011, a terceira edição de nosso Cariri Cangaço, novamente em terras cearenses: Crato, Juazeiro, Barbalha, Missão Velha, Porteiras, Barro e Aurora, numa das mais festejadas festas da alma nordestina. A partir dos registros de Aderbal Nogueira e sua Laser Video, um pouco do grande Cariri Cangaço 2011, enquanto não chega o grande...

Cariri Cangaço Fortaleza
26 a 29 de Abril de 2018
Fortaleza, Capital do Ceará

Propriá Recebe o Cariri Cangaço !

Propriá recebe o Cariri Cangaço !

A cidade de Propriá, uma das mais belas e proeminentes urbes do baixo São Francisco, a 98 quilômetros da capital Aracaju, tem o majestoso rio da integração nacional como seu principal cartão postal e fonte de riqueza,  turismo e inspiração. Ali na manha do último dia 20 de janeiro de 2018, o Cariri Cangaço foi recebido por personalidades do mundo acadêmico e cultural da cidade, numa visita de cortesia e trabalho, que abriu as portas do município para a realização em 2019 de mais um evento com a marca Cariri Cangaço em Sergipe. 

A Caravana Cariri Cangaço com seu curador, Manoel Severo, e ainda Ingrid Rebouças e os Conselheiros Archimedes e Elane Marques, foi anfitrionada pelo produtor cultural, poeta e escritor, Rossi Magne; e a visita contou com entrevista na rádio Propriá FM e uma visita de cortesia ao Prefeito Municipal, senhor Iokanaan Santana.

Manoel Severo e Rossi Mágne na Radio Propriá FM

O primeiro compromisso do Cariri Cangaço em Propriá foi uma extensa entrevista na Radio Propriá FM, onde o curador Manoel Severo ao lado de Ingrid Rebouças, Elane e Archimedes Marques foram recebidos pelo radialista Rossi Mágne. Na oportunidade Manoel Severo ressaltou a grande felicidade de chegar a Propriá, "hoje vivo uma grande emoção, ha muito tempo ansiava vir a bela Propriá e hoje graças ao convite do meu querido amigo Rossi Mágne e com a companhia de Archimedes e Elane pudemos realizar esse sonho, é uma grande honra esta com vocês em Propriá e sem dúvidas essa será a primeira de muitas visitas do Cariri Cangaço"

Por ocasião da visita à Radio Propriá FM, a entrevista de Manoel Severo contou ainda com a presença de representantes do CCP - Centro Cultural de Propriá; professores, Erasmo Rodrigues, Claudomir Tavares  Alberto Amorim, além de Tony Moreno; os quais provocaram ao Cariri Cangaço: "Severo quando vamos ter a honra de ter um Cariri Cangaço em Propriá?" ao que no curador do evento revelou: "Sergipe entra de vez na agenda Cariri Cangaço. Este ano de 2018 em junho chegaremos em grande estilo na querida Poço Redondo, terra de nosso Patrono, Alcino Alves Costa; e sem dúvidas a partir de 2019 é nosso desejo realizamos mais uma edição em Sergipe, dessa vez contemplando com certeza Propriá, podem ficar certos, para isso nossos Conselheiros Archimedes e Elane Marques já estão credenciados para as primeiras conversações nesse sentido". 

Na Propriá FM o CCP - Centro Cultural de Propriá recebe o Cariri Cangaço

O CCP-Centro Cultural de Propriá, foi fundado em 24 de maio de 2010 e reorganizado em 27 de dezembro de 2012. O CCP tem como principais objetivos o estudo, a pesquisa, difusão e intercâmbio cultural, como também a promoção de atividades de fomento ao fortalecimento cultural de Propriá, como o Sarau Cultural, o Café Cultural, a Feira do Mamulengo. É ainda projeto do CCP a fixação de um monumento ao homenagem ao Rei do Baião, Luiz Gonzaga na praça que leva seu nome; aliás a primeira praça no Brasil a homenagear com seu nome o grande rei do baião, Gonzagão.

A bela Propriá no baixo São Francisco, Sergipe.

Propriá guarda uma beleza incomum, suas praças abrigam um conjunto arquitetônico antigo muito belo; o Obelisco, a Igreja Matriz, os casarões, as casas de azulejos portugueses, onde Dom Pedro Segundo dormiu na visita que fez a cidade, enfim. 
Rossi Mágne, Manoel Severo e Erasmo Rodrigues
Rossi Magne e Manoel Severo ao lado do vice-prefeito de Propriá, Hélio Gomes

A visita a Propriá, a partir do convite do confrade Rossi Mágne, estava dentro do projeto de visitar algumas cidades sergipanas para definir o formato de uma edição do Cariri Cangaço em Sergipe no ano de 2019. A ideia é tentar fazer um consórcio entre alguns municípios para a realização dessa edição do ano que vem, unindo cenários do cangaço com cidades históricas de Sergipe.

"Chegaremos aqui em Sergipe ainda em 2018, em junho numa grande festa em Poço Redondo, ao lado dos amigos Rangel Alves da Costa, Maria Oliveira, Manoel Belarmino, Djalma, enfim, mas em 2019 desejamos voltar a Sergipe, daí estarmos levando Severo aos principais cenários ligados ao cangaço, como Propriá, Capela, Dores, Itabaiana, Frei Paulo, enfim, além de cidades históricas como São Cristovão e Laranjeiras, sem dúvidas vamos em 2019 realizar um grande evento em terras sergipanas", revela o Conselheiro Archimedes Marques.
Prefeito Iokannan Santana recebe o Cariri Cangaço em Propriá
Reunião na casa do casal, prefeito Iokannan e  dona Helena Santana na apresentação do Cariri Cangaço que chegará a Propriá em 2019

Outra agenda de nosso momento em Propriá foi a visita realizada a residência do senhor prefeito municipal e sua esposa, o casal, Iokanaan e Helena Santana. Na oportunidade foi apresentado o projeto Cariri Cangaço aos representantes da municipalidade, quando Manoel Severo mostrou as principais linhas do empreendimento.

Prontamente o casal Iokannan Santana  e a professora Helena Santana; ela também membro do Centro Cultural de Propriá; acolheram o empreendimento Cariri Cangaço. "É muito bom e é com muita honra que recebemos o Cariri Cangaço em Propriá, sem dúvidas teremos tempo para nos organizar e realizar um grande evento" revela a professora e primeira dama, Helena Santana.
Manoel Severo, Rossi Mágne e Archimedes Marques
Rossi Mágne recebe da escritora Elane Marques o livro "Sila-do cangaço ao estrelato"
Helena Santana e Ingrid Rebouças

Manoel Severo
Curador do Cariri Cangaço
20 de Janeiro de 2018, Propriá-SE

Vem aí o Cariri Cangaço Fortaleza, mas antes vamos de Angico - Parte 1



Conferência do Dr Leandro Cardoso Fernandes; médico e pesquisador, membro da SBEC e Conselheiro Cariri Cangaço; abordando os temas polêmicos do desfecho macabro de Angico em 28 de Julho de 1938, conferência ainda em 2009, no primeiro Cariri Cangaço. Enquanto não chega o Cariri Cangaço Fortaleza 2018, vale a pena ver de novo, ANGICO por Leandro Cardoso com imagens de Aderbal Nogueira e sua Laser Video.

Cariri Cangaço Fortaleza
26 a 29 de Abril de 2018
Fortaleza, Capital do Ceará

Vem aí o Cariri Cangaço Fortaleza e com ele: Cangaço e Religiosidade.

Lemuel Rodrigues e a espetacular Conferência "Cangaço e Religiosidade"
vale a pena ver de novo!

As profundas ligações entre esses personagens, cenários e movimentos intrinsecamente responsáveis pela historia de nosso nordeste; a primeira conferência de nosso Cariri Cangaço, ainda e 2009, teve como protagonista o professor doutor Lemuel Rodrigues que nos ajudou a compreender um pouco mais deste universo fantástico de sertanejos, beatos, cangaceiros e coronéis; alguns dos temas de nosso Cariri Cangaço Fortaleza, imperdível !!! Com o trabalho de Aderbal Nogueira e sua Laser Video, com vocês a reprise de Cangaço e Religiosidade com Lemuel Rodrigues e na mesa a seu lado, Ivanildo Silveira, Paulo Gastão e Manoel Severo.

Cariri Cangaço Fortaleza
26 a 29 de Abril de 2018
Fortaleza, Capital do Ceará



Vem aí Cariri Cangaço Fortaleza, mas Enquanto isso Vamos Reviver o Edição de Luxo 2015



Revendo momentos do sensacional Cariri Cangaço - Edição de Luxo 2015 , nas cidades de Crato, Juazeiro do Norte, Lavras da Mangabeira e Missão Velha, todas no cariri do Ceará, entre os dias 23 e 26 de setembro de 2015; reunindo alguns dos maiores pesquisadores e escritores do cangaço no Brasil.
Cariri Cangaço, Onde o Brasil de Alma Nordestina se Encontra !!!

Cariri Cangaço Fortaleza
26 a 29 de Abril de 2018
Fortaleza, Capital do Ceará

A Imponente Borda da Mata e seu Comandante,Antônio Caixeiro

Fazenda Borda da Mata em Canhoba, Sergipe

Todas as andanças por entre os territórios pisados e vividos pelos reis das caatingas são preciosos. Cada cenário e; uns mais que outros; dependendo de seu peso e sua memória e o quanto contribuiu para o momento histórico se tornam emblemáticos. Chegamos em Sergipe, uma das "capitanias hereditárias" do rei do cangaço, Virgulino Ferreira da Silva em seu segundo reinado.

Era o dia 20 de janeiro de 2018, um sábado ensolarado e quente, partimos de Aracaju ainda pela manha, ao lado dos pesquisadores Archimedes e Elane Marques rumo ao município de Canhoba, a 125 km da capital sergipana, terra do enigmático e poderoso coronel Antônio Ferreira de Carvalho, ou: Antônio Caixeiro.

 Sob as bençãos do Cruzeiro da Borda da Mata, a imensidão das terras que um dia foram o feudo de Antônio Caixeiro
Manoel Severo e Archimedes Marques na Borda da Mata

Quem estuda cangaço e se debruça sobre a historiografia desse fenômeno no estado de Sergipe, terá em Antônio Caixeiro e seu filho Eronildes Carvalho, dois de seus mais destacados personagens. A partir de 1929 quando Lampião atravessou o rio São Francisco iniciando um novo ciclo em sua vida fora da lei, os contatos com a família e o poder dos Carvalho, de Canhoba, tendo a frente o patriarca Antônio Caixeiro vieram a ser determinantes para os novos rumos tomados pelo rei cego.

Não raramente vamos encontrar episódios marcantes acontecidos em terras abençoadas pelo potentado sergipano de Canhoba. Suas propriedades, notadamente as famosas fazendas, “Borda da Mata” e "Jaramataia" eram pouso comum dos vários grupos cangaceiros comandados por Virgulino Ferreira da Silva. Eram perto das 10 da manha quando enfim chegamos ao centro do município de Canhoba, dali mais quinze minutos em estrada de terra batida, aportaríamos na lendária e imponente fazenda Borda da Mata.

Coronel sergipano Antônio Caixeiro em foto do acervo de Lauro Rocha
No vilarejo defronte a fazenda Borda da Mata, a praia fluvial no São Francisco
 Ingrid Rebouças e a vista do rio São Francisco a partir de um dos cômodos da fazenda Borda da Mata

Vamos recorrer ao Mestre Alcino Alves Costa para entender a ligação de Virgulino Ferreira com Sergipe e seus coronéis: " Foi em Sergipe que Lampião alcançou o maior apogeu de sua vida bandoleira. Foi o coronel dos coronéis; foi soberano, temido, respeitado por todas as autoridades; amigo dos homens mais influentes do Estado. Poderosos senhores, tais como os coronéis Hercílio Britto; Antônio Caixeiro, que era o pai de governador de Sergipe, Eronildes de Carvalho; era amigo dos famosos fazendeiros da Serra Negra, Pinduca e João Maria, ambos eram irmãos do temido tenente Liberato de Carvalho, famoso militar do exército brasileiro que caçava tenazmente os grupos bandoleiros e fez parte do histórico “Fogo da Maranduba”, em janeiro de 1932; e muitos outros homens de enorme importância e influência na terra sergipana."

E continua Alcino:"O poder de Lampião era tão grande que ele teve a ousadia de dividir partes do Estado de Sergipe nos moldes das antigas sesmarias, colocando seus principais homens, como se fossem sesmeiros, à frente de vastas glebas de terras, por exemplo: na região que compreende os municípios de Frei Paulo, Carira, em Sergipe, e Paripiranga, na Bahia, o domínio de Zé Baiano; em Porto da Folha, Gararu e N. S. da Glória, o senhor daquelas terras era o cangaceiro Mariano, em Poço Redondo e Monte Alegre de Sergipe, o domínio era de Zé Sereno e em Canindé, o poder estava nas mãos de Juriti."

A imensidão das terras da Borda da Mata em Canhoba
 Nos detalhe da Borda da Mata o registro de uma época e sua gente...

Logo que se chega ao vilarejo do distrito, sendo acompanhado pelas margens do São Francisco se avista de longe a imponente "Borda da Mata" que se agiganta sobre uma pequena e estratégica elevação, de onde certamente seu mandatário mantinha as terras e os homens sob sua vigilância inconteste. A atmosfera do lugar é simplesmente espetacular, sob o testemunho do grande rio e a brisa forte típica da caatinga, estávamos pisando um solo sagrado da historia nordestina.

A edificação hoje em ruínas ainda mantém seu glamour e sua força. A Casa Grande reflete o poderio econômico dos Carvalho, os cômodos se sucedem cheios de detalhes de decoração nas antigas paredes, arcos e fachadas principais, permitindo-nos viajar no tempo e voltar aos idos dos anos 20 e 30 quando de Canhoba a dinastia Carvalho, de Antônio Caixeiro e seu filho, Capitão de Exercito, médico e depois interventor do estado, Eronildes de Carvalho, mandavam em Sergipe.  

Eronildes Ferreira de Carvalho é um dos filhos mais de ilustres de Canhoba.Nasceu na Borda da Mata em abril de 1897. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Bahia em 20 de dezembro de 1917, filho de Antônio Caixeiro e interventor de Sergipe.


De pé: Ezequiel, irmão de Lampião, Calais, Fortaleza, Mourão e o menino Volta Seca. Sentados : Lampião, Moderno, Zé Baiano e Arvoredo.

O pesquisador Kiko Monteiro nos auxilia e traz o escritor cearense Nertan Macedo que entrevistou o interventor Eronildes de Carvalho justamente quando da primeira passagem de Virgulino ainda em 1929 na Borda da Mata ao lado de 20 homens e foram "anfitrionados" pelo poderoso coronel. "Lampião conhecia “os Carvalho” desde a sua juventude. Quando percorreu a maioria dos caminhos que viria a fazer mais tarde como bandoleiro. Revendendo nas fronteiras de Alagoas e Sergipe, como simples almocreve conheceu a família. E agora já como poderoso chefe cangaceiro, aproveitou para visitar o Coronel. Sabendo do poder do grande comerciante Lampião pediu abrigo e comida, sendo prontamente atendido, onde lhe foi autorizado o abate de rezes etc, mas que seus moradores e contratados não fossem molestados por seus homens."
E continua Kiko Monteiro "Eronildes foi apresentado a Lampião em agosto de 1929, durante os dias em que se restabelecia de uma enfermidade na fazenda Jaramataia propriedade de seu pai no município de Gararu. Algumas biografias dão conta de que esse encontro se deu “antes” de ele estar com Caixeiro. Outras que foi numa visita do interventor até a Borda da Mata. A ordem dos fatores… Em ambas há um mesmo parágrafo: Trocam cumprimentos e o Dr. faz a Lampião uma indagação que entrou para galeria das “máximas cangaceiras: – “Então, como devo chamá-lo, capitão ou coronel? Porque eu também sou capitão e deve haver aqui uma hierarquia – como oficial do exército não posso ser comandado pelo senhor”. Lampião compreendeu a malícia e replicou– “Pois desde já o senhor está promovido a coronel”.
Uma das fotos clássica do Rei dos Cangaceiros, usada muitas vezes como "salvo conduto" foi feita na fazenda Jaramataia pelas lentes de Eronildes Carvalho.
 Neste chão pisaram os poderosos de Sergipe e suas sombras...cangaceiros 
Imagens de uma das partes internas da Casa
A visita à fazenda Borda da Mata ciceronizado por uma das maiores autoridades sobre a historiografia do cangaço em Sergipe; o pesquisador e escritor Archimedes Marques; foi um grande presente para mim, havia muito tempo que desejava conhecer as famosas terras de Antônio Caixeiro e seu filho Capitão Eronildes, fato me proporcionado pelo querido casal Archimedes e Elane. 
Sem dúvidas quando somos privilegiados com momentos como esse não se pode negar o tamanho da emoção e de todas as sensações que nos invadem. Sergipe o menor estados do Brasil em território foi sem dúvidas um dos territórios onde o Rei do Cangaço mais se sentia em casa, perpetuando a partir dali mais 9 anos de vida cangaceira. Para entender melhor a presença do cangaço em Sergipe, teremos no próximo Cariri Cangaço a se realizar em Fortaleza no mês de abril, o lançamento do segundo volume da obra de Archimedes Marques, o magistral "Lampião e o Cangaço na Historiografia de Sergipe". 
Manoel Severo, 20 de Janeiro de 2018 Canhoba-SE

Vem aí o Cariri Cangaço Fortaleza e a Verdadeira Natureza da Cultura Nordestina

Recortes de nosso primeiro Cariri Cangaço, em setembro de 2009, registros preciosos de nosso Conselheiro Aderbal Nogueira e sua Laser Vídeo.
Vale a Pena Ver de Novo

Temos uma grande responsabilidade na construção de mais um grande evento com a marca Cariri Cangaço, agora em Fortaleza , assim, em abril de 2018 Fortaleza receberá alguns dos grandes pesquisadores da temática, do Brasil. Enquanto não chega, vamos trazer dia a dia, recortes de outras edições; trabalho espetacular de Aderbal Nogueira e a Laser Video; para sabermos um pouco do que nos espera nesta autentica festa da alma nordestina...

Cariri Cangaço Fortaleza
26 a 29 de Abril de 2018
Fortaleza, Capital do Ceará

Vem aí o Cariri Cangaço Fortaleza e com ele Padre Cícero

Recortes de nosso primeiro Cariri Cangaço, em setembro de 2009, registros preciosos de nosso Conselheiro Aderbal Nogueira e sua Laser Vídeo.
Vale a Pena Ver de Novo

Um dos grandes personagens de nosso Cariri Cangaço Fortaleza será sem dúvidas o Cearense do Seculo; Padre Cícero Romão Batista; e os coronéis do Cariri, assim, em abril de 2018 Fortaleza receberá alguns dos grandes pesquisadores da temática, do Brasil. Enquanto não chega, vamos trazer dia a dia, recortes de outras edições, trabalho espetacular de Aderbal Nogueira e a Laser Video, para sabermos um pouco do que nos espera nesta autentica festa da alma nordestina...

Cariri Cangaço Fortaleza
26 a 29 de Abril de 2018
Fortaleza, Capital do Ceará

80 Anos da Morte de Lampião - Releituras do Cangaço


As permanências da memória de Lampião no cenário cultural brasileiro são o ponto de partida para a revisão da história do cangaço nos 80 anos da morte do dito Rei do Cangaço. Esse passado que não quer passar, principalmente na região nordestina, convive com a obsessão contemporânea da cultura da memória repleta de jogos de lembrança, esquecimento e silêncio.
Comemorações tendem a instaurar experiência de temporalidade fronteiriça em suspensão entre o pretérito e o porvir, oportuna às releituras de acordos e conflitos reveladores do presente, que rememora, coletivamente, marcas do que considera sua identidade.
Foto de Lampião e familiares em Juazeiro do Norte em 1926

O que as novas pesquisas têm a dizer acerca do fenômeno nos 80 anos de morte de Lampião? Como tratam as disputas da memória em torno do cangaço? Quais as formas de lidar, refletir e entender um passado tão complexo?
Revisitar o cangaço em tempo de holofotes virados para o seu mais afamado símbolo discutindo a trajetória do fenômeno e/ou ressignificações da vivência no campo mnemônico é uma maneira de aprofundar debates sobre as várias histórias possíveis de serem contadas.
Esse dossiê é um convite aberto à comunidade acadêmica e demais pesquisadores/as para problematizar peculiaridades diversas de um passado cercado de contendas de memórias. Afinal, se dizem que só se comemora o que é significativo, há muito a indagar.
Prof. Dr. Antônio Fernando de Araújo Sá (UFS)

Prof. Me. Vagner Silva Ramos Filho (UERN) 

SERVIÇO

A chamada de artigos para o "Dossiê 80 anos da morte de Lampião: releituras do cangaço", organizado pelo prof. Fernando Sá e pelo prof. Vagner Ramos Filho estará aberta e vai até 31 de maio.
Será a próxima edição da revista Ponta de Lança, vinculada ao Grupo de Pesquisa História Popular do Nordeste do Departamento de História e dos Programas de Pós-Graduação em História e Letras da UFS.
O todos que se interessam pelo assunto ou temas afins podem ajudar a divulgar? Aqui está o link da evista:  https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/index

Uma Construção de Muitas Mãos Por:Manoel Severo

A terra de Iracema receberá o Cariri Cangaço em abril...

O desafio encantador de construir mais um Cariri Cangaço, sobretudo em nossa casa; Fortaleza, a capital do Ceará, nos enche de entusiasmo. Primeiro definimos o período: Abril, depois chegamos a uma data, 26 a 29, aos temas, aos personagens, aos parceiros, a infraestrutura necessária, os debates, as visitas, os convidados...A programação. Já são mais de 4 meses unindo as ideias, as sugestões, construindo cenários, cuidando de cada detalhe para que nosso encontro possa ser, como todos os outros, momentos de celebração à verdadeira Alma Nordestina.

Daqui até lá vamos passo a passo divulgando tudo o que acontece e que refere a esse que para mim é um dos mais importantes momentos da marca Cariri Cangaço. Definimos uma Comissão Organizadora Local que tem como Presidente a escritora e Conselheira Cristina Couto, presidente da Academia Lavrense de Letras, a seu lado teremos mais uma mulher, Ingrid Rebouças já tão apaixonada pelas coisas de nosso sertão e comprometida como eu, com o sucesso do evento. Além dessas duas sensacionais mulheres, dois mestres: Ângelo Osmiro, escritor, presidente do GECC, vice-presidente da SCGH e o espetacular documentarista Aderbal Nogueira, ambos Conselheiros do Cariri Cangaço, esse quarteto tem a responsabilidade de ao nosso lado proporcionar um Cariri Cangaço inesquecível !

Comissão Organizadora do Cariri Cangaço Fortaleza 2018

Os temas serão 3: Messianismo e Religiosidade, Cangaço e Coronelismo. As bases de nossa programação terão de saída tres ilustre cearenses; Padre Ibiapina, Antônio Conselheiro e Padre Cícero; passando por Virgulino e a polêmica da Patente de Capitão concedida em Juazeiro do Norte, não sem antes trazermos dos tempos de Accioly e Franco Rabelo a grande Sedição. Os coronéis estarão bem representados por uma plêiade de personagens marcantes: Coronel Santana, coronel Izaias Arruda, coronel Gustavo Augusto, Floro Bartolomeu, coronel Cândido Pavão,  Major Zé Inácio do Barro e as não menos espetaculares; Dona Fideralina e Marica Macedo... Então o que nos resta dizer ? O Cariri Cangaço Fortaleza promete mostrar alguns dos principais personagens de nossa historia ao mundo.

Honório de Medeiros, Manoel Severo, Ivanildo Silveira e Nivaldo Pereira

As confirmações começam e a cada dia estaremos divulgando por aqui, um a um. Dessa forma confrades; escritores, pesquisadores, e vaqueiros da historia; de todo o Brasil, se somam a este sentimento forte de construirmos um Cariri Cangaço eletrizante. Iniciamos a semana com confirmações de peso: Jonas Luis da Silva, de Icapuí; o talentoso e inquieto cineasta cearense, diretamente do Jardim do Éden começa a tomar assento em nossa "banca" de conferencistas; logo em seguida do Rio de Janeiro uma das mais brilhantes pesquisadoras do Brasil, a alagoana Luitgarde de Oliveira Barros marca com luxo a segunda confirmação. 

Ainda no mesmo final de semana estivemos em Natal, terra dos reis magos e de lá trouxemos as confirmações dos mestres Honório de Medeiros e Ivanildo Silveira que se somam aos que estarão em nossas mesas de debates, além do pesquisador Nivaldo Pereira.  A cada dia a cada hora estamos convencidos de nossa grande responsabilidade e isso é o que nos faz bem e o que faz nosso olho brilhar, vamos em frente... Sempre. Que venha o Cariri Cangaço Fortaleza 2018.

O cineasta Jonas Luis da Silva, de Icapuí, uma das confirmações do Cariri Cangaço 2018
Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros confirmada para Fortaleza 

De norte a sul a imensa família Cariri Cangaço começa a confirmar presença. Recebemos todos os dias solicitações de informações sobre programação, onde é melhor hospedar, sobre os locais do evento, enfim, sem duvidas cada detalhe esta sendo pensado para proporcionar o melhor para todos, dessa forma após o carnaval teremos todas as informações divulgadas. Avante !

Manoel Severo
Curador do Cariri Cangaço
Fortaleza, 08 de fevereiro de 2018