Joao Gomes de Lira na Festa do Cariri Cangaço Centenário de Nazaré


O Sol já havia se escondido no horizonte, mal dava para ver a imponente Serra do Pico quando a Caravana Cariri Cangaço partiu para o último compromisso oficial da vasta e inesquecível programação do Cariri Cangaço Floresta-Centenário de Nazaré, destino, a casa do Tenente João Gomes de Lira.

Tendo como ilustres anfitriões, filhos, netos e bisnetos de uma das personalidades mais marcantes de Nazaré, o Cariri Cangaço participaria de uma noite de homenagens em respeito a memória do bravo militar que como todos os outros volantes de Nazaré, souberam dignificar sua terra, sua farda e sua honra. João Gomes de Lira, um homem que ficará guardado no coração de cada um de seus inúmeros amigos, aos quais recebia com afeto e atenção, a ele toda nossa homenagem e saudade. 

A Família Gomes de Lira e a homenagem ao grande João Gomes, no Cariri Cangaço Centenário de Nazaré
Clóvis e a emoção da lembrança do pai...
Cristina Lira: "A saudade de um casal exemplar..."

Um a um os filhos se sucediam nas lembranças e palavras que nos transportavam no tempo e no espaço para reencontrar um ser humano de muito valor, João Gomes de Lira, soube ao longo de toda sua vida construir sob bases sólidas de ética, responsabilidade e amor, a grandeza de sua família.

Na oportunidade a família Gomes de Lira, representada na noite pelos filhos; Rubelvan, Cristina, Cláudio, Ruberval, Clóvis, Lucinha, pelos netos, bisnetos e amigos, prestaram uma honrosa homenagem ao Cariri Cangaço e passaram às mãos do Curador Manoel Severo, Placa Comemorativa ao evento, ressaltando o esforço e trabalho da família Cariri Cangaço na direção da perpetuação da "memória nazarena". A placa foi entregue solenemente por um dos bisnetos do tenente João Gomes de Lira; o pequeno Álvaro Davi Leite de Lira Nogueira. 

    O pequeno Álvaro, bisneto de João Gomes de Lira entrega a homenagem a Manoel Severo, representando o Cariri Cangaço 
 
Rubelvan Lira, Manoel Severo e Ricardo Ferraz

O tenente João Gomes de Lira escreveu um dos clássicos da literatura do cangaço, sua obra "Memórias de um Soldado de Volante" foi publicado em 1990 e traz a saga desses heróis da caatinga que dedicaram toda uma vida ao combate ao cangaço, para isso o brilhante militar passava o dia em frente à máquina de escrever, rebuscando na memória os fragmentos das verdades históricas que ele mesmo ajudou a construir. 

João Gomes de Lira e Manoel Severo
 Lembranças: Relíquias de toda uma vida...

"Depois de ser vereador no município de Caraíbas, tenente João retornou a sua querida Nazaré, dai ficou viúvo em 2001, perdendo seu grande amor após 60 anos de casamento; dona Gisélia; e passou o resto de seus gloriosos dias recebendo a todos que o procuravam, com  a amabilidade e gentileza próprias de seu coração, foi assim que conheci João Gomes Lira no final do ano de 2008, em sua cadeira de balanço em frente à sua casa e com um olhar e um sorriso próprio dele, próprio daqueles que cumpriram bem sua missão" revela Manoel Severo Barbosa.

 Clóvis Lira, Cristina Lira, Rubelvan lira e Manoel Severo
Rubelvan Lira e Manoel Severo
"As palavras e a emoção do amigo Clóvis foram marcantes"... 
Clóvis Lira e Manoel Severo

"Quando se fala em João Gomes de Lira, é preciso dizer quem foi ele, para que os novos preservem a memória dessa extraordinária figura humana. No último sábado, 14 de outubro de 2017, em mais um encontro do Cariri Cangaço, liderado pelo abnegado Manoel Severo Barbosa, a caravana de estudiosos do fenômeno do cangaço esteve na gloriosa vila de Nazaré, que está festejando o Centenário de sua Fundação. Um dos filhos mais ilustres de Nazaré é João Gomes de Lira, ex-soldado de volante, autor do livro "Lampião: Memórias de um Soldado de Volante", uma obra indispensável para quem estuda e leva a sério os assuntos do cangaço. Para escrever um grande livro, não é preciso muita erudição. O que é preciso mesmo é afinco. João Gomes de Lira tinha pouca instrução, mas escreveu um dos mais importantes e mais completos livros sobre o cangaço. Suas versões dos fatos são objetivas e confiáveis. As datas e os lugares são citados com precisão. Estive com ele três vezes. Grande figura. Sempre que passo por Nazaré, entro no povoado, dou uma volta pela pracinha histórica e, antes de sair, me demoro um pouco em frente à casa onde viveu seus últimos dias o grande João Gomes de Lira. Toda manhã, ele se sentava debaixo de uma das árvores em frente a sua casa, onde cumprimentava os que passavam ou iam vê-lo. Sua bênção, querido João Gomes de Lira" Depoimento do escritor José Bezerra Lima Irmão.


 Descerramento de Placa Comemorativa à memória de João Gomes de Lira por ocasião do Cariri Cangaço Centenário de Nazaré
Lucinha Lira
 A trajetória de João Gomes lembrada pela família e a fala do prefeito Ricardo Ferraz 
Placa Comemorativa 

"Nascido em 13 de julho de 1913 na Fazenda Jenipapo, distrito de Nazaré do Pico – Município de Floresta/PE, viveu ali parte de sua vida. Ingressou na Polícia Militar do Estado de Pernambuco em 16 de Julho de 1931. Com dezessete anos de idade integrou na volante que tinha como comandante o Cel. Manoel Neto que perseguia Virgolino Ferreira da Silva, o "Lampião". Depois do fim da campanha contra o cangaço, foi destacar nos municípios de: Afogados da Ingazeira, Iguaracy, Tabira, Carnaíba e Flores todas cidades do interior pernambucano, onde foi delegado de polícia. Foi várias vezes ouvido pela imprensa para contar relatos da luta dos seus conterrâneos contra o bando de Lampião. Enquanto vereador de Carnaíba, João Gomes de Lira escreveu sua Obra: "Memorias de um soldado de volante", narrando sua vida e suas andanças em busca de cangaceiros. João Gomes de Lira faleceu no dia 04 de Agosto de 2011, 
na cidade do Recife, aos 98 anos.

Manoel Severo, Rubelvan Lira e Ingrid Rebouças

"Obrigado Severo, Nazaré escreveu uma pagina muito linda na sua historia e o Cariri Cangaço é o responsável, portanto só temos a agradecer a todos principalmente aos organizadores na pessoa de Mabel a nossa Coordenadora. Agradeço também ao amigo Kydelmir Dantas por ter feito uma excelente narrativa sob os nazarenos principalmente meu pai João Gomes de Lira; foi por isso que minhas irmãs prestaram uma simples homenagem a todos do Cariri Cangaço pelo o fato dos Senhores sempre terem um carinho com meu velho pai obrigado a todos e que apareçam muitas vezes em nossa terra . Obrigado" Afirma Rubelvan Lira, filho de João Gomes de Lira e um dos organizadores do Cariri Cangaço Nazaré 2017. 


Louro Teles na festa em memória de Joao Gomes de Lira
 Muito Forró e uma ceia genuinamente sertaneja proporcionada pela família Gomes de Lira aos convidados do Cariri Cangaço
Manoel Severo e Lucinha Lira
Manoel Severo, Jadílson Ferraz e Ingrid Rebouças

"No Estado de Pernambuco, na cidade de Floresta, no importante distrito de Nazaré do Pico, destacava-se a figura de João Gomes de Lira que se alistou e logo se incorporou na Polícia Militar de Pernambuco, então com 18 anos de idade, para combater o cangaceirismo e o banditismo no sertão. Em sua trajetória de vida no trabalho, social e afetiva, sempre mostrou dignidade, bondade e imparcialidade em suas decisões. Passou pela hierarquia militar se destacando ao longo da carreira como soldado, comissário, delegado e por último Tenente com muita eficiência e competência aos olhos de toda sociedade sertaneja. Com poucos estudos não frequentou os bancos escolares com assiduidade como desejava, mas, mediante suas memórias como policial atuante, se fez pesquisador do tema Cangaço lançando, após muitos anos de pesquisas, com grande sucesso em dois volumes, o livro Memórias de um Soldado Volante que é um referencial para todos aqueles amantes da História do Brasil e em especial aos bravos soldados nazarenos que participaram diretamente fazendo assim parte da História." ressalta Ana Lúcia Souza; pesquisadora e Conselheira Cariri Cangaço.

Ingrid Rebouças e Manoel Severo
Wescley Rodrigues, Camilo Lemos, Cristina Couto, Ivanildo Silveira e Nivaldo Pereira

"Há muito tempo atras, quando comecei minhas viagens em busca dos resquícios da história, a primeira pessoa que conheci foi o querido amigo João Gomes de Lira, homem de fala mansa e de uma tranquilidade congelante. Um memorialista excepcional e acima de tudo um bom amigo.Como dizia o saudoso Luiz de Cazuza "- Você vê aquele homem de fala mansa , com aquela tranquilidade, foi um dos homens mais valentes que o Pajeú já teve"...revela o pesquisador e documentarista cearense Aderbal Nogueira.

Paulo Sérgio, Kydelmir Dantas, João Gomes de Lira, Aderbal Nogueira e Rubelvan Lira
"O grandioso evento Cariri Cangaço Floresta-Nazaré 2017 , foi sem dúvida um sucesso em termos de aprendizado e de organização.Como sempre ocorre, esse fórum reuniu mais uma vez, centenas de amigos já consolidados no estudo e no prazer por esse tema tão instigante que é o cangaço. Parabenizo a todos que se envolveram na organização e com toda certeza, valeu muito para todos que participaram. O Cariri Cangaço é único." Confirma o pesquisador pernambucano e Conselheiro Cariri Cangaço Jorge Remígio.

 Jorge Remígio e Manoel Severo
Casal Clóvis Lira e Manoel Severo
Manoel Severo, Cristina Amaral e Ingrid Rebouças
"Manoel Severo com sua competência, e caráter ímpar, realizou uma das maiores edições do Cariri Cangaço, em Floresta e Nazaré do Pico. Fiquei encantada com a receptividade e organização de um trabalho feito com muito zelo,carinho e amor; ingredientes indispensáveis, e que são marcas registradas da Família Cariri Cangaço. Estamos juntos!" Revela a pesquisadora Francimary Oliveira, de Teresina, Piauí.

Josué Santana Macedo e Manoel Severo
Ainda dentro da noite de homenagens em Nazaré do Pico, o Cariri Cangaço através do Conselho Alcino Alves Costa prestou homenagem através de Diploma ao "Museu Cangaço e Sertão" da cidade de Saquarema no estado do Rio de Janeiro; que tem como idealizador e mantenedor o pesquisador carioca, Josué Santana Macedo. "Josué é um companheiro extraordinário, dedicado e extremamente comprometido com a divulgação da memoria do sertão, a partir de seu Museu no Rio de Janeiro, sensacional. Merece todo o nosso respeito e admiração" confessa o curador do Cariri Cangaço Manoel Severo.

Fotos: Ingrid Rebouças, Evanilson Sousa e Louro Teles

Cariri Cangaço Floresta-Centenário de Nazaré 
Homenagem João Gomes de Lira, 14 de Outubro de 2017
Nazaré do Pico-Floresta, Pernambuco 

Por Quem os Sinos Dobram...Nazaré 100 Anos

Placa Comemorativa fixada solenemente no Cemitério de Nazaré do Pico

Dois momentos seriam mais que especiais dentre todos os grandes momentos do Cariri Cangaço Floresta 2017 celebrando o Centenário de Nazaré, que inclusive se configuraram como iniciativas inéditas e que além de reconhecerem e prestarem as devidas homenagens ao bravo povo nazareno, possibilitou também a todos que participaram do evento, um recorte importante e rico da história da vila mais famosa do cangaço: Primeiro, a visita "casa a casa, porta a porta" mostrando os principais lares e cenários daqueles que fizeram história na luta contra o cangaço e segundo, o "Cortejo Especial" e Fixação de "Placa Comemorativa" em memória aos valorosos nazarenos que tombaram em combate contra os bandos cangaceiros, no cemitério local.

Eram por volta das 17 horas quando a Caravana Cariri Cangaço sob os sinos dobrados da Igreja de Nossa Senhora da Saúde em Nazaré, partia para um dos momentos marcantes da programação. Da Igreja de Nazaré até o Cemitério local, pesquisadores de todo o Brasil juntamente com as famílias nazarenas realizaram um cortejo representativo e solene em homenagem aos nazarenos que tombaram no campo de batalha.

 Realmente o Brasil de Alma Nordestina reverenciou este que sem dúvidas é um dos mais emblemáticos cenários da historiografia do cangaço: Nazaré do Pico; em Floresta; que nos recebeu de forma digna, como digna é sua historia e a força de sua tradição.
Muito obrigado Floresta, muito obrigado Nazaré, saibam que juntos, 
temos a responsabilidade de consolidar nossa memoria e historia! 
"O Cariri Cangaço de Floresta e Nazaré do Pico, resumo em duas palavras: Sonho Realizado!" Raimundo Evangelista do Distrito Federal.

"Uma coisa que me marcou profundamente foi ver nesse cortejo histórico os alunos; meninos e meninas de Nazaré; levando os nomes dos verdadeiros heróis dessa saga sertaneja, foi simplesmente arrepiante, inesquecível" revela o pesquisador e Conselheiro Cariri Cangaço, Manoel Serafim. "Floresta e Nazaré deram um grande exemplo de maturidade, competência e zelo no trato com História, Cultura e Memória de sua terra e seu povo. O evento Cariri Cangaço Floresta e Nazaré foi um sucesso total. História viva. Avante amigo Manoel Severo. Parabéns", emenda o pesquisador e Conselheiro Cariri Cangaço, Professor Francisco Pereira de Cajazeiras.

Prefeito Ricardo Ferraz e Manoel Severo
Família Nazarena conduz seus Heróis 
Nivaldo Pereira e Ivanildo Silveira 
Um dos grandes idealizadores da tarde/noite, Zinho Nogueira

"Sem dúvidas um dos momentos que considero mais emocionantes do evento: A homenagem aos combativos nazarenos que deram sua vida na luta contra o cangaço, entre eles, meus tios-avós João Ferraz de Souza (João Neu) e Antonio Ferraz de Souza (Antonio Néu) friamente emboscados pelos cangaceiros em Betânia-PE no ano de 1925" Lembra Wagno Ferraz. 

 
Louro Teles pesquisador e escritor, Conselheiro Cariri Cangaço 

Cerca de 350 metros separam a Igreja de Nossa Senhora da Saúde até o Cemitério de Nazaré, os componentes da Caravana Cariri Cangaço percorreram em silêncio reverente todo o trajeto para parar diante do campo santo de Nazaré, ali onde já repousam muitos dos principais vultos históricos da Vila, recebia simbolicamente os filhos que foram sepultados no campo de batalha.

"Manoel Severo faz, como pouquíssimos, um trabalho extraordinário. Na verdade, ele se dá por inteiro; sem medir esforços, esquece de si e leva à Família Cariri Cangaço o que há de melhor. Não há como não reconhecer o que fez e fará por Floresta e por Nazaré do Pico esse pequeno grande homem. Parabéns, Manoel Severo. Conte sempre com a Família florestana e nazarena." Completa o pesquisador e historiador Florestano, Leonardo Ferraz Gominho.

Os sinos dobram por todos os Nazarenos mortos em combate, homens dignos e de uma coragem ímpar, defensores de seu lugar e de sua honra...
O Grande Encontro...
Rubelvan Lira, Ivanildo Silveira, Manoel Severo, Netinho Flor; Mestre de Cerimônia da Homenagem; e prefeito Ricardo Ferraz
Ivanildo, Manoel Severo, Jadilson Ferraz,Netinho e Ricardo Ferraz

Para o pesquisador cearense radicado em João Pessoa, Jair Tavares, 
 "O cortejo foi de arrepiar de emoção. Enquanto o sino badalava, as crianças seguiam à frente empunhando as placas com os nomes dos heróis mortos e logo atrás todos os integrantes do Cariri Cangaço junto aos familiares dos heróis. Em frente ao cemitério, foi citado o nome de cada um in memoriam e fixado na parede um postulado de gratidão aos mártires da guerra contra o banditismo lampionico. Foi realmente algo de intensa emoção pra todos os presentes"

 Netinho Flor e as Homenagens ao Heróis Nazarenos de Ontem, Hoje e Sempre...

"Resolvemos homenagear e simbolicamente trazer até o campo santo de Nazaré, seus filhos queridos; verdadeiros heróis; que deram sua vida no campo de batalha para defender a honra do sertão e foram sepultados longe de sua Nazaré querida; hoje espiritualmente se unem aos brilhantes filhos do lugar que repousam em paz..." Manoel Severo.

Vamos recorrer ao grande pesquisador e escritor Florestano, Cristiano Ferraz para elencar os nomes desses personagens de Nazaré que foram homenageados na tarde/noite histórica. "Na Maranduba-SE morreram quatro nazarenos, os irmãos Hercílio Nogueira e Edelgísio, João Cavalcanti e Antônio Benedito. Já Inocêncio e Olímpio morreram no combate das Baixas em 1924. Ildefonso, filho de João Flor, morreu no tiroteio de Xique Xique em Vila Bela em 1925,  Luiz Gonzaga foi morto em Belmonte em 1922, João Gregório foi morto na Favela, em Floresta. em 1926. José Teotônio em São Caetano de Betânia em 1925. Os irmãos João e Antônio Neo em Betânia em 1925, no dia de Natal, Cândido na Ingazeira em 1926 e finalmente Aureliano Sabino no Gravatá em 1930.

 Prefeito Ricardo Ferraz e a Homenagem aos Nazarenos

"Lutar contra o cangaço. Identidade dos Nazarenos"

"Quando da nossa estada nas cidades de Floresta e também aqui na linda Nazaré do Pico, fomos calorosamente acolhidos pelo povo do lugar e pelo Excelentíssimo Prefeito da cidade o Sr. Ricardo Ferraz acompanhado de sua esposa. Também compartilhou conosco momentos especiais do Cariri Cangaço o Secretário da Cultura do Estado de Pernambuco o Senhor Marcelino Granja. Foi maravilhoso! Somente temos que parabenizar pela organização, agradecer, e nos colocar a disposição para que, com muita dedicação e carinho, possamos efetuar o nosso trabalho de preservação da Cultura Nordestina e em especial, enriquecer a força histórica que emana daquela região." Assevera o pesquisador e ator paraibano Quirino Silva.

"Ainda sinto o cheiro das árvores plantadas ao redor da praça, em Nazaré... saudades de tudo que tive o prazer de vivenciar, em Floresta, em Nazaré...amigos que fiz, o que aprendi, e principalmente as pessoas que pude abraçar! Que venham os próximos encontros do Cariri Cangaço, como diz o nosso ilustre Curador Sr Manoel Severo: Avante!!!!!!!" Fala a pesquisadora de Recife, Márcia Filardi.

 Rubelvan Lira, um dos organizadores do Cariri Cangaço Nazaré Centenário 
e Manoel Severo
Rubelvan Lira, Marcelo Alves, Manoel Severo, Juliana Pereira e Ingrid Rebouças
"Realmente, entre os dias 12 a 15 de outubro desbravamos as memórias dos nossos antepassados e visitamos os rincões onde as histórias aconteceram.Floresta e Nazaré do Pico sediaram um evento enriquecedor que ficará na história desse povo, de valor inestimável pelo resgate e valorização da cultura e tradição. A caminhada foi longa e difícil, porém a chegada foi de enorme satisfação. Nós, Comissão Organizadora do Cariri Cangaço Floresta e Nazaré do Pico, agradecemos à Prefeitura Municipal de Floresta pela realização deste grandioso evento em parceria com o Instituto Cariri do Brasil. O conjunto de esforços e dedicação tornou este evento possível e de sucesso inquestionável. Amigo Manoel Severo, você é o nosso orgulho, através do Cariri Cangaço, Floresta entra na rota do cangaço e realiza o sonho de muitos estudiosos e amantes do tema. Manoel Severo, cidadão Florestano e que muito honra o povo dos Tamarindos, do Pajeú, do Riacho do Navio e dos combatentes do cangaço." Comemora Ana Gleide Souza Leal, uma das organizadoras do Cariri Cangaço Floresta - Centenário de Nazaré.

Fotos: Evanilson Sousa e Louro Teles

Cariri Cangaço Floresta-Centenário de Nazaré 
Cortejo e Placa de Homenagem aos Heróis-Cemitério , 14 de Outubro de 2017
Nazaré do Pico-Floresta, Pernambuco